Próxima estação

brief-encounter.jpg 

«As estações de comboios deixam-me entrever um mundo que não conheço. A atmosfera que as envolve é mais subtil. (…) Gosto de estações de comboios porque elas vivem dia e noite», confessa Emmanuel Bove em Les Amis, o romance que comecei a ler, não numa estação de comboios, porque já não se viaja de comboio para Paris, mas num aeroporto que pouco tem a ver com as estações de comboios que povoaram o mapa inter-rail da minha adolescência. Santa Apolónia, Atocha, Austerlitz, Termini… Por isso, também eu gosto de estações de comboios; e, por isso, ainda hoje, quando visito uma qualquer grande cidade, gosto de entrar nelas, olhar os painéis das partidas e chegadas, deambular nos cais, observar os que chegam e os que partem.

Há uns anos viajei de avião para Leipzig onde devia apanhar um combóio para Weimar. Mas como cheguei à estação já noite alta, quase madrugada, e só havia comboios para dali a algumas horas, deixei-me ficar por ali naquela estação onde todos os comboios já tinham partido, mas onde, misteriosamente, permanecia ainda o cheiro do último comboio a vapor que, por certo, já tinha partido há muitos anos, pois as linhas há muito que eram electrificadas. Esse o segredo mineral das estações de comboios que me lembram o pequeno mundo organizado de partidas e chegadas da minha infância que misturava a mecânica das velhas locomotivas com a do diesel das novas automotoras manobrando com um rumor metálico sob o olhar ocioso dos Boves que, entre passageiros apressados e grandes sacos de correio, erravam na pequena estação de província para onde me esgueirava depois da escola. 

Lembram-me ainda que muitos anos depois encontraria a mesma estação de comboios rigorosamente vigiados da minha infância no romance de noventa páginas Bohumil Hrabal, cuja acção se passa na Checoslováquia, no final da Segunda Guerra Mundial, e que repete o mesmo pequeno mundo de chefes-de-estação, factores, agulheiros, maquinistas, carregadores, cobradores de bilhetes e passageiros de segunda classe onde cresci. A mesma estação de comboios que voltaria a encontrar naquele romance de Italo Calvino, Se numa noite de Inverno um viajante, onde, numa noite de chuva, um passageiro desembarca numa estação ferroviária que me deu «a impressão de recuar no tempo, de uma reocupação dos tempos e dos lugares perdidos, ou então um faiscar de luzes e de sons» que eu julgava perdidos na estação embaciada da minha infância onde já não há comboios a manobrar pelos carris brilhantes a perder de vista. Por isso, como Bove, gosto da atmosfera subtil das estações ferroviárias, talvez, agora, à espera de um breve encontro como no filme de David Lean que revi há dias.

Anúncios

8 comentários

  1. o breve encontro é um dos maiores melodramas da história do cinema, e o calvino tinha um jeito inexcedível para títulos

  2. “Una taza para el té”, de Clara Sánchez en el suplemento Babelia, de El País, en el que se habla de la estación de San Benito, en Oporto, y de dos de esos libros que usted menciona.

    Saludos cordiales.

  3. Não se esqueça daquele capítulo de “Estrela Distante”, onde Roberto Bolaño conta a morte de um dos seus “supostos” orientadores dos ateliers de poesia, precisamente na estação de Montpellier

  4. Ana, e que dizer do encontro entre outra Anna e Vronski – que se tornará seu amante e a arrastará para a desgraça – não numa estação, mas no comboio de Moscovo para São Petersburgo, em «Anna Karenina», de Tolstoi?

  5. Jaime, passei poucas vezes pela estação de São Bento, aliás conheço mal «o saudável anacronismo do Porto», com «a sua confortável lentidão», como diz Enrique Vila-Matas, mas concordo com Clara Sánchez, a estação de São Bento «merecia um filme no estilo de Breve encontro, de David Lean ou de Estación Termini, de Vittorio de Sica ou de Apaixonar-se, de Ulu Grosbard». Sobretudo, merecia um fime de Manoel de Oliveira.

  6. Preciso, então, de apanhar esse comboio de Bolaño e apear-me na estação Montpellier, não para ir a um qualquer atelier de poesia que, pelo que conta Bolaño, é perigoso, mas para continuar a errar por aí, por esses livros que esse chileno de coração mexicano nos deixou. E a propósito, dizem-me que está para sair a tradução de «Os detectives selvagens». Quando? E «2666»?

  7. Bom, se Breve Encontro é um maiores melodramas da história do cinema, Tolstoi é o maior romancista do grande romance. E não estou a falar do número de páginas… Anna Karenina é soberbo! E eu detesto pontos de exclamação.

  8. … e mais, dentro dessas páginas abrem-se outras páginas que Anna Karenina lê, não numa estação de comboios, mas no próprio comboio onde acontecerá o breve encontro que, mais tarde, se revelará fatal.


Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s