Diário chileno (VII). Luz e nevoeiro

 dsc00502.jpg

1. Estou na Patagónia. Não os territórios magalhânicos, errando pelos páramos ventosos e rudes do fim do mundo, mas apenas num restaurante homónimo, na rua Lastratria, em Santiago, aonde me trouxeram os meus passos incertos de detectve salvaje em busca do aleph santiaguino que por aqui deve estar escondido. E nesta Patagónia que já foi mercearia, ainda ali se encontram os velhos armários de madeira, o primitivo balcão com grandes frascos de vidro em cima, velhas caixas de vinhos, uma garrafeira de vinhos austrais e, a um canto, um armário com livros que me são oferecidos enquanto espero pelos sabores longitudinais do sul profundo. Trazem-me um cordero magallánico com bagas silvestres patagónicas, um carmenére e, no final, o incontornável flan con manjarblanco que me recorda outras evasões por estas paragens. E eu julgo ter encontrado, finalmente, a rua artúrica para onde me conduziu, hoje, o meu destino incerto.

2. Caminho por ruas nervosas até à Estación Mapoche onde está a Feira do Livro de Santiago. Antes, atravesso os portões do velho Mercado Central e confronto-me com algumas das espécies esquisitas que nadavam ontem na paila marina que comi com Bolaño. E já na feira, desisto de comprar os Bolaños que me faltam. É que sei onde comprá-los por metade do preco. Sigo, depois, para Bellavista, ao lado da corrente do Mapoche que desce veloz da cordilheira sobre um leito de cimento. E desespero ao procurar o pequeno teatro La Memoria, onde passa Las brutas, que Daniel Barraco me desafiou a ver, mas quando finalmente o encontro, descubro que o espectáculo fora cancelado por impossibilidade de uma actriz. Propõem-me que veja, ali no mesmo bairro, Nadar como um perro. E enquanto faço tempo para o teatro, algo me puxa mais para o sul, nem que seja através de uma Austral, a cerveja patagónica que vou  bebendo, ao crepúsculo.

3. Outro dia. Vou de taxi a Villa Grimaldi que fica já na periferia de Santiago, em Peñalolen. Cruzo bairros pobres em direcção à cordilheira nevada e, de súbito, ali está o umbral tenebroso do tempo da ditatura militar. A Villa Grimaldi foi uma sinistra prisão clandestina especializada na tortura, por onde passaram, entre 1973 e 1978, 4.500 presos políticos, dos quais muitos desaparecerem sem rastro. Entro por uma porta lateral, porque o umbral do medo por onde entravam de olhos vendados os prisioneiros, encerrou-se para sempre. Conheço um sobrevivente que me guia na visita ao parque eregido sobre os alicerces dos pavilhões do mal. E regresso a Santiago, sem outra semântica que nao seja do silêncio diante da banalidade do mal. E pensar que, às vezes, num mesma cidade, a luz pode estar à distância de um taxi do nevoeiro mais cerrado.

Anúncios

Deixe um comentário

Ainda sem comentários.

Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s