Diário chileno (V). Entardecer nervoso

testigos-del-barrio.jpg 

Todas as cidades têm o seu aleph, isto é, um lugar secreto capaz de albergar todas as representações que fomos construindo sobre cada uma delas. Em Santiago, procuro-o ao entardecer nervoso, desde a Plaza de Armas, ocupada por pintores que reivindincam aquele espaço para expor o seu trabalho, jogadores de xadrez e damas, desempregados e passeantes fortuitos como eu. Sigo por Ahumada onde, encostados a anónimos edifícios novos, sobrevivem restos da velha cidade fundada por Pedro de Valdivia, em 1541. Atravesso várias ruas pedonais, Huerfanos, Monjitas, Santo Domingo, depois pelo barrio Paris-Londres, espécie de mosaico sereno de estilos variados, neo-clássico, gótico e mourisco, povoado de pequenos hotéis elegantes para amantes secretos, e depois pela Merced até à livraria Metales Pesados onde compro um Bolaño, Entre parénteses, que me acompanha agora pela rua Lastarria. Ali está, ainda, o Biógrafo, célebre cinema e cafetaria de culto para onde confluem jovens cineastas, actrizes da moda, punks, yuppies, numa invulgar justaposição de estilos de vida nem sempre coincidentes.  E já naPlaza Mulato Gil de Castro, enquadrada por antiquários, alfarrabistas e galerias de arte, cafés e esplanadas, onde, dizem-me, nasceu em boa medida a nova literatura chilena, entre rodadas de pisco sour bebido aqui com um rigor profissional, disponho a escrever este diário. Adentro-me a seguir por um labirinto de ruelas secretas, ladeadas de pequenas habitações de cores vivas a que o crespúsculo confere múltiplas tonalidades. Estou em Santiago e ainda não encontrei o seu aleph.

Diário chileno (IV). Santiago do Chile

dsc00419.jpg 

Chego a Santiago do Chile 26 horas depois de ter saído de casa. A combi que me transporta desde o aeroporto Toribio Merino acompanhando a corrente poluída do rio Mapoche, atravessa agora uma cidade radiante, com incandescentes torres de vidro pós-modernas e gigantescos centros comerciais coabitando com veneráveis habitações coloniais, alguns edifícios Art Deco e outros sem estilo nenhum, numa acumulação espalhafatosa de formas que compoem o mixt arquitectónico de Santiago do Chile. A interminável Alameda Bernardo O’Higgins, enquadrada pela cordilheira nevada, abre-se diante dos meus olhos como uma corrente de luz, vinda da histórica Estação Central, construída pelo mesmo Gustavo Eiffel que fez a torre de Paris. Na calçada, burocratas apressados de fato e gravata, grupos de jovens estudantes uniformizados, carabineros, compoem um quadro aparentemente conservador, militarizado, que parece constituir a imagem de Santiago. À direita, ergue-se o Cerro de Santa Lúcia, “tão culpado de noite, tão inocente de dia”, como escreveu o poeta Nicolás Guillén e onde o fundador de Santiago, Pedro de Valdivia, sediou em 1541, o seu acampamento. Na esquina Ahumada vislumbro uma cidade mercantil, confusa, uma corrente humana cruzando-se indiferente. E de repente, surge o Palácio de La Moneda, e recordo Salvador Allende, ali assassinado em 11 de Setembro de 1973 pelos militares golpistas, seguindo-se 16 anos de chumbo. Depois de deixar por ali os últimos passageiros que comigo vieram do aeroporto, retornamos ainda pela Alameda, e já na Providência, adentrando-nos numa Santiago de casas térreas, rectilínea, arborizada, provinciana, até ao bairro de Ñuñoa onde Daniel Barraco me espera.

Diário chileno (III). Fazer a mala com Bolaño

los-detectives.jpg 

E que levar na mala? Roupas frescas, porque agora começa o Verão austral; também uns agasalhos porque, à noite, a sopra uma aragem fresca  vinda da cordilheira, adverte-me o Daniel Barraco. Algumas prendas, claro. Marisa ao vivo em Lisboa, a incontornável garrafa de Porto e um queijo e estrelas de figo que comprei hoje no mercado. Pequenos sabores de um tempo em desagregação. Câmara fotográfica, telefone, cartões de crédito. Um moleskine para ir corrigindo o plano de evasão. E para ler durante a viagem? Tinha pensado no livro de Joseph Roth, Fuga sem fim, o mesmo que Pasavento levou na sua mala vermelha quando viajou de Madrid para Sevilha; mas é muito curto para as longas horas de viagem que me esperam amanhã.  E depois, o meu plano de evasão tem regresso. Fazia-me jeito um livro escrito em castelhano, para assim mergulhar na língua que vou usar durante mais de uma semana. De um escritor chileno, preferencialmente. Será, então, Los Detectives Salvajes, de Roberto Bolaño, que comprei há dias em Madrid, e cujas extravagantes 609 páginas chegarão seguramente para aguentar as 16 horas de avião desde Zurique até Santiago do Chile, mais as três de Lisboa a Zurique, e regresso.

E porquê Bolaño? Porque depois dos abismos de Vila-Matas que acabo de explorar, este livro é um precipício azul que abre para a nova literatura latino-americana depois do boom do realismo mágico, contrariado pela Rayuela, de Cortázar, de que este romance é, ironicamente, o mais perfeito «contrário». E porque Los Detectives Salvajes é, escreve Vila-Matas, «uma brecha que abre para o mundo infernal de uma geração agrilhoada», a nossa. E porque Bolaño, que já cá não está, ocupa agora a minha «biblioteca do quarto escuro», ao lado de Bioy Casares, um autor do seu universo literário, também aqui hoje chamado para a elaboração deste plano de evasão. E porque quando estiver em Santiago do Chile, irei eu próprio, como um detective selvagem, procurá-lo «na rua Banderas, esquina Ahumada» onde Vila-Matas diz que «parece tê-lo visto observando esse mendigo que ali está sempre e se diz neto de Léon Tolstoi», embora isso seja inverosímil porque àquela data já Bolaño teria ido «embora deste mundo em silêncio».

Diário chileno (II). Plano de evasão

mapas-chile1.jpg

«Perder-se numa cidade, tal como é possível acontecer num bosque requer instrução», diz Walter Benjamin. Por isso, quando partimos, não como turistas fortuitos, mas como viajantes intrépidos adentrando-nos por mapas por fazer, é útil prevenirmo-nos com um plano de evasão, recolhendo antecipadamente informação sob os territórios de fuga, mapeando percursos, inventariando paisagens e lugares a visitar, registando intenções, construindo ficções a habitar. Nesse plano – que no meu caso é quase sempre urbano – assinalo as «cidades nervosas» com os seus monumentos, as avenidas da moda cheias de gente convergindo em direcção ao centro. Museus, teatros, exposições e outras iluminações. E também os tugúrios míticos onde depois procurarei o aleph que todas as cidades escondem. A rua artúrica que apenas ao expedicionário é oferecida, mas que só será revelada quando ultrapassar o seu limiar perdido na floresta de banalidades urbanas circundante. Prodígios e raridades, portanto, levemente suspeitadas, para explorar mais tarde. Passagens. Lentidões. Cafés com mesas de mármore onde se sentaram escritores, licores fortes como o metal fundido, livrarias de livros estranhos, pequenos jardins de amantes sem dinheiro. E labirintos subterrâneos. Estações de metro, quando as há, porque o metro é sempre uma aventura na noite infinita donde nem todos os que nele penetram regressam à superfície. E também estradas espalhando em muitas direcções. E, ainda, advertências e obrigações. Fusos horários, a natureza do clima, câmbios, transacções, roamings.

Daqui resulta, às vezes, que a viagem começa por ser uma ficção com lugares, tempos, personagens e acções mesmo antes de se iniciar, com a intenção expressa de, uma vez o viajante no território a explorar, habitar a ficção previamente construída durante os dias que antecederam a partida, como um expedicionário que, ao mesmo tempo que vai confirmando no terreno os sinais previamente assinalados, procura nas dobras do novo mapa sobre o qual caminha as linhas de passagem que permitem perceber a cidade. Isto porque uma cidade que não se compreende caminhando é indecifrável. 

E é nessa perdição procurada com instrução que reside todo o segredo da evasão. Mesmo que a cidade seja Santiago do Chile, poluída, híbrida, anárquica, com os restos da sua arquitectura colonial perdidos no meio de uma Litlle Manhattan austral de torres pós-modernas desafiando a cordilheira nevada. Como encontrar ali as linhas de passagem para o mapa por vir? Este o desafio que Santiago coloca ao expedicionário que talvez ali tenha de ser um detective selvagem à maneira de Arturo Belano e Ulises Lima, espécie de «poetas desesperados» e errantes do livro de Roberto Bolaño [Los detectives salvajes, Anagrama], bifurcando-se através de cenários contraditórios em busca do que lhes escapa.

Mais fácil será o expedicionário perder-se no «insólito porto sem portas» que é Valparaíso, hipnotizado pelo brilho nocturno da baía, ou num funicular louco galgando uma qualquer colina sobranceira ao Pacífico, ou nos labirintos de ruelas e becos ziguezagueantes perseguindo os passos de marinheiros antigos que ali naufragaram embalados por milongas tristes. Talvez ali baste ser como Cayetano Brulé, o detective do livro de Roberto Ampuero [Encontro no azul profundo, Temas & DEbates, 2004], que mora no cerro Concepción e não precisa de metafísica nenhuma, pois «Valparaíso [já] é um lugar metafísico, um centro mágico da existência», como escreveu Sergio Vuskovic Rojo na última Atlântica.

Levo comigo um plano de evasão que esconde dunas movediças, abismos inesperados cujos umbrais luminosos cruzarei à procura do aleph borgesiano que encerra tanto os segredos da cidade da cordilheira como os da cidade do paraíso e, talvez, ainda aqueles que se escondem nas estradas que se espalham desde Santiago em direcção aos Andes, ao Aconcágua e a Mendoza, na Argentina. 

Entretanto, para lá chegar, primeiro um estranho roteiro que passará sobre a montanha mágica de Thomas Mann e de Robert Walser perto da qual, em Zurique, tomarei o avião que me levará até ao outro lado do mar e, depois, até ao outro lado do continente, banhado aí pelo Pacífico.

Diário chileno (I). Lonjuras

santiago.jpg 

Do Chile, contou-me Neruda das soberbas paisagens e dos aromas, das madrugadas e dos crepúsculos, do estoicismo e da hospitalidade das suas gentes. E também dos «exílios que mordem e [de] outros [que] são como fogo que consome». E do «medo como um sabor metálico na boca», ouvi contar Isabel Allende. E Roberto Bolaño, o escritor que se exilou no México, sem dinheiro para as chamadas telefónicas. Roberto Ampuero, com quem vou trocando mails entre Portimão e o Ohio, contou-me também que, quando era criança, no pátio alemão do colégio alemão de Valparaíso, meninos e meninas costumavam cantar com uma fé cega uma cantiga de roda que dizia: «arroz con leche, me quiero casar con una señorita de Portugal». Eram os anos sessenta e Portugal vivia no tempo da «cobra e do abutre». Mais tarde, em vésperas de Abril de 1974, em Estocolmo, juntei o meu desterro ao desterro de muitos chilenos. E depois, enquanto a chuva cinzenta caía sobre Santiago, os cravos vermelhos floriam em Lisboa. Entretanto, perdi o rasto aos chilenos de Estocolmo, mas em Gijón, no Salon de Libro, fui conhecendo outros, o Luís Sepúlveda e a Carmen Yañez, a Virgínia Vidal, a Regina Rodriguez, o Hernán Neira, todos cúmplices da Atlântica. E o Daniel Barraco, que sendo argentino, mora em Santiago, e que só conheço dos mails que vamos trocando e das belíssimas fotografias de Valparaíso e das ilustrações de Frida Khalo e de Witold Gombrowicz que me mandou para a Atlântica. Por isso, o Chile sempre foi para mim um país inventado. Do Chile, contaram-me também da sua geografia longitudinal. Um país austral de lonjuras sem fim, espreguiçado nos seus quatro mil e trezentos quilómetros de montanhas, vulcões, vales, estepes, desertos, lagos, estuários, fiordes, arquipélagos, onde, contar-me-ia, depois, Neruda, «noite, neve e areia fazem a forma /da minha fina pátria, / há todo o silêncio na sua longa linha, /toda a espuma sai da sua barba marinha, / todo o carvão a enche de misteriosos beijos». Ao norte, a paisagem lunar do perfeito deserto de Atacama, sol, pedras calcinadas, uma paisagem imóvel de transparência cortante, emoldurada por um cenário de vulcões, uma solidão espectral, mas que, na Primavera, se veste momentaneamente de «vermelho, intensamente vermelho, coberto de pequenas flores cor de sangue», como escreve Luís Sepúlveda em As Rosas de Atacama: «– Ali as tens. As rosas do deserto, as rosas de Atacama. (…) As plantas continuam ali, debaixo da terra salgada. Viram-nas os atacamenses, os incas, os conquistadores espanhóis, os soldados da guerra do Pacífico, os operários do salitre. Continuam lá e florescem uma vez por ano. Ao meio-dia já estarão calcinadas pelo sol». A leste, a cordilheira dos Andes, formidável maciço de rocha e neves eternas sobrevoadas por condores. E a sul, a Patagónia, «terra de ar puro e de grandes espaços», como a definiu Bruce Chatwin, salpicada de parques nacionais com árvores milenárias, hoje ameaçadas pela destruição humana, atravessada pela Carretera Austral, uma pista pedregosa de 1200 km que vai de Puerto Montt até Villa O´Higgins, interrompida pela muralha dos glaciares para depois se transformar na pampa magalhânica; e também a costa patagónica, terras de Dezembro – como assinalou Fernão de Magalhães no mapa ainda por fazer quando avistou este rude e selvagem, em 1520 -, labirinto de ilhotas e fiordes, focas e pinguins, «cenário de catástrofes telúricas e de atrozes iniquidades humanas», onde viveu e escreveu Francisco Coloane, «o mais anfíbio dos escritores», como o classificou Volodia Teitelboim; e a última cidade continental, Punta Arenas, fustigada pelos ventos gelados do Estreito de Magalhães, orgulhosa da sua profunda australidade, enfrentando páramos e nevadas; e a última fronteira, a Terra do Fogo, antes dos gelos da Antárctica e dos icebergues à deriva que dão conta doutras iniquidades humanas. E a oeste, sempre o mesmo mar que Pedro de Valdivia baptizou de Pacífico. E que me contaram das cidades aonde irei? De Santiago do Chile, cujo aleph se esconde por detrás de uma pequena Manhattan orgulhosa das suas torres de vidro, ouvi Carlos Fuentes elogiar as suas «mulheres formosas com olhares de uva»; e que é uma cidade «melancólica e arrogante» e «confusa e secreta», segundo Antonio Skármeta; e que a sua boémia acontece à volta do cinema Biógrafo, da rua Lastarria, do Cerro de Santa Lucía, dédalo de escadarias, jardins e fontes; e que a praça Mulato Gil de Castro, enquadrada por antiquários e alfarrabistas, cafés e esplanadas, é o ponto de encontro da movida cultural santiaguina. E que La Piojera, «una de las picadas más famosas de Santiago», é imperdível. E de Valparaíso, «luminosa, ruidosa, espumosa e prostituta», que sei eu? Que Neruda e todos os viajantes e poetas a têm cantado como porto de nostalgia, aventura e perdição de marinheiros. E que também eu quero atravessar a obscuridade das suas escadarias, ruelas e praças sempre irrigadas pelo sopro salgado do Pacífico que sobe, ao crepúsculo, as suas quarenta e duas colinas, antes de me perder no Siete Machos ouvindo numa juke-box um tango Carlos Gardel. Mas contaram-me também que a vida no Chile é dura e brava, mas não igualmente para todos. Que há uma Santiago pintada com cores vivas e outra a preto e branco. Que nos bairros populares de «los de abajo», como Victoria, ou nos bairros de lata como Villa Francia, tudo parece cinzento, as pessoas exaustas, e que até os cães que erram entre caixotes de lixo são famélicos. E que nos bairros dos que vivem acima, nas colinas arborizadas, ao abrigo do smog no Inverno e da fornalha no Verão, como em Las Condas, os ricos escondem-se em luxuosas mansões atrás de altos muros rigorosamente vigiados. Que «los de abajo» descarregam as suas tensões, aos domingos, no Estádio Nacional de triste memória, insultando a polícia – «Pacos, hijos de puta» – e incentivando o clube do seu coração, Universidad de Chile. Que outros, vagueiam por infernos como o Cerro Navia, prisioneiros da «pasta base», a cocaína dos pobres que provoca razias. E que, alheios ao drama, outros há que cultivam a insustentável leveza da sua juventude, escapando-se no Verão para Viña de Mar, no Inverno para as estações de ski andinas e aos fins de semana para a movida dos bares de Bellavista e da rua Suécia. Hoje, o Chile é governado por uma mulher, Michelle Bachelet, filha de uma vítima da ditadura, em quem os chilenos depositam confiança para fazer esquecer as cicatrizes do passado, ultrapassar as dificuldades do presente e cruzar novos horizontes de esperança. Entretanto, as contas com o passado vão sendo saldadas, mandando para a prisão a viúva, filhos e acólitos de Pinochet, acusados de roubo de milhões de dólares durante a ditadura. [Eis o Chile antecipado que confrontarei na próxima semana, pois é para esse «território de essências longitudinais», cantado por Pablo Neruda e por Gabriela Mistral – que também tinha Portugal no coração – que viajo na segunda-feira. // Motivo: a participação num Encuentro Internacional de Escritores em Santiago e a apresentação da revista Atlântica. // Plano de evasão: 1. Santiago do Chile, das «mulheres formosas com olhar uva»; 2. A nostálgica Valparaíso, luminosa e obscura, debruçada sobre o Pacífico; 3. … E, como Pepe Carvalho e Biscuter, intrépidos detectivos selvagens do derradeiro livro de Vázquez Montalbán, talvez «atravessar a fronteira pelo túnel do Aconcágua, que liga directamente a Mendoza, já na Argentina». // E para que o plano de evasão possa servir a outros, quando por perto houver um computador ligado à rede, irei dando conta do que me cair dos dias em terras austrais].

A página assinalada

livro.jpg 

Na corrente proposta pela Maria do Rosário/Divas & Contrabaixos, poderia ser outro livro qualquer e outra página qualquer a assinalar, mas o acaso surpreendeu-me regressando do mapa obscuro onde Canetti acharia que me perderia enquanto expedicionário, tantas são as bifurcações que irrompem nesse abismo que ousei explorar em noites recentes sem outra orientação que não o desejo de habitar momentaneamente esse território onde a realidade supera a ficção acolhida na escrita luminosa e equívoca de Enrique Vila-Matas. O livro, já se percebeu, é Exploradores del Abismo [Anagrama, 2007] que comprei há dias em Madrid e que li sofregamente como sempre leio os livros desafiantes, as entrevistas espasmódicas, as crónicas gombrowiczianas em forma de retratos de momento do escritor catalão que habita a minha «biblioteca do quarto escuro», juntamente com outros que com ele atravessam a região shandy da literatura.

E a página 161 proposta como brecha de entrada no abismo é última página conto “El día señalado”, assim como a quinta frase completa dessa página não é outra senão a última frase de um relato muito vilamatiasiano sobre o acaso objectivo que comanda as nossas vidas, do qual, muitas vezes, só conseguimos escapar no derradeiro instante enquanto «el mundo [parece] seguir su curso habitual, del mismo modo que, incluso en los casos extremos en los que todo está en juego, se sigue viviendo como si no pasar nada» [esta a frase assinalada na pág. 161].

Não sou muito dado a correntes, mas reconheço que não devemos pará-las para não interferirmos no curso habitual das coisas, por isso e também por voyeurismo que nõ escondo relativamente à página 161 de outros livros, passo o convite a cinco outros expedicionários cujos caminhos muitas vezes se bifurcam no meu próprio caminho. Ao Rui Bebiano/A Terceira Noite, ao Luís Jorge/Vida Breve, ao Sérgio Lavos/Auto-retrato, à Isabel Victor/Caderno de Campo e à Sandra Costa/ Tubo de Ensaio para nos revelarem uma passagem dos seus mapas literários.

[E lembrem-se: escolher o livro mais próximo, literalmente; assinalar a página 161; transcrever a 5ª frase completa] e continuar a corrente].

Um lugar no atlas

atlas_group.jpg 

Ainda o descentramento do olhar na exposição Atlas Group que pode ser visitada como mais uma estação do atlas dos acontecimentos da Gulbenkian – um projecto de Walid Raad sobre a história contemporânea do Líbano visando a desmontagem dos dispositivos mediáticos responsáveis pela coisificação da memória recente dos acontecimentos nesse lugar do atlas. Uma espécie de arquivo visitável – constituído por fotografias, documentos assinados, anónimos, originais, forjados – que documenta o desfasamento entre o acontecimento e a sua refabricação mediática, como se fosse um jogo de espelhos onde realidade e ficção se misturam num exercício de condensação, e de condenação, da forma como os media respondem aos acontecimentos em nome de uma comunicabilidade insustentável, porque sem tonalidade política.

Dois exemplos. 1. Notebook Volume 8: Already been in a lake of fire é um caderno onde se coleccionam fotografias recortadas de revistas de carros semelhantes aos que entre 1975 e 1991 foram usados como carros-bomba legendadas com os «factos» dos acontecimentos, numa crítica à pretensa «objectividade» jornalística que despreza a forma que daria a tonalidade política ao acontecimento mediatizado. 2. E a série Let´s be honest, the weather helped constituída por fotografias de edifícios com inscrições de círculos de cor que assinalam os buracos provocados pelo impacto de munições que o artista diz coleccionar desde criança. Porque no Líbano «tudo é perigoso mas não igualmente ao mesmo tempo», como diria Benjamin.