Do céu caiu uma estrela

film_itsawonderfullife.jpg

«A felicidade não só existe como abunda nesta vida e só é necessário que nos fixemos nos pormenores menos visíveis, como o demonstra aquele que tão facilmente soube encontrá-la em noite de lua cheia em Los Portales de Vera Cruz», afirma o narrador do romance de Enrique Vila-Matas, Longe de Vera Cruz ao recordar a lua de prata e as praias longínquas cantadas por Agustín Lara que num verso nostálgico dizia: «um dia terei de voltar». E como demonstração suplementar desta «nota sem texto», não é que instantes depois de a ler reencontro Georges Bailey que descobre, também ele, que a felicidade está muitas vezes perto de nós, embora nem sempre sejamos capazes de a ver. Este o fio invisível que liga o livro ao filme que revi há dias, como se todas as coisas, afinal, estivessem ligadas, mesmo que imperceptivelmente. O livro fala de desassossego e paixão, do que nos resta quando estamos longe do vulcão das nossas paixões antigas. Longe da vida? O filme, pelo contrário, conta a história de um homem, Georges Bailey, que na noite de Natal recupera a família e a alegria de viver, porque descobre que afinal era feliz e fazia os outros felizes. Momentos antes quisera fugir da vida. E no entanto, a felicidade era possível em Bedford Falls, a pequena cidade onde acontece a história do filme de Frank Capra, Do céu caiu uma estrela/It´s a wonderful life (1946).

E mais nada liga o livro ao filme, a não ser esta ideia da felicidade e a intertextualidade que procuro naquilo que me cai dos dias. A não ser, ainda, que foi a frase do livro que me fez escrever sobre o filme. Um filme cheio de coisas bonitas a fazer a felicidade de quem o vê: Gloria Grahame a parar o trânsito; o baile onde Bailey/Stewart conhece Donna Reed, «a rapariga mais bonita da cidade» com quem viria a casar; a cena sensual entre ambos junto aos arbustos quando o roupão dela cai; o belíssimo plano do primeiro beijo…, depois, a noite da inexistência de Bailey/Stewart em que um anjo descido à terra para o salvar lhe mostra como a cidade teria sido sem ele – um amontoado de vidas perdidas, pobreza, violência -, a solidariedade na noite de Natal, enfim, tudo pormenores que fazem deste filme o filme da felicidade. Nada disto é a vida, dir-se-á. Pois não, é cinema, onde se dá outra trama à vida, porque às vezes é preciso ser feliz, nem que seja enquanto durar um filme, ao qual poderemos voltar sempre que o desejarmos. Nem que seja por do céu, às vezes, cair uma estrela para nos ajudar. Já me aconteceu.

Anúncios

2 comentários

  1. “Learn to truly appreciate the things you hold dear”, a lição de um anjo para um Georges Bailey à beira de um/em pleno ataque de nervos. Coisas que amamos mas que, de tão familiares, se tornam invisíveis. Se as paixões se eternizassem, cultivaríamos o “estranho familiar” no nosso quotidiano (truque da boa literatura). Nós ali, mas não completamente; e, simultaneamente, a diferença, não nos deixando adormecer. Pelo que a felicidade está no que nos rodeia, “the things we hold dear”, e na predisposição para “estranhar” sempre.
    “Estranhei ” este texto. Familiar nas referências, original nas associações.

  2. Também eu estranhei depois de o ler. Mas foi para aí que a mão me guiou. Claro, em «Longe de Vera Cruz», apenas a passagem transcrita poderá associar o livro ao filme. E mesmo assim, talvez seja precisa mais qualquer coisa. Uma fulguração momentânea de felicidade,como eu tive um dia em Coyoacan. Eu ali, tão completamente. Estranhamente.


Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s